29 de fevereiro de 2016

Argentinos vão às ruas em defesa dos serviços públicos e contra demissões

29/2/2016 - Milhares de trabalhadores foram às ruas da Argentina quarta-feira, dia 24, contra a demissão em massa de servidores públicos, desde o início do governo do presidente Mauricio Macri.

Em todo o país, diversas categorias paralisaram as atividades e realizaram atos de protesto.

Segundo informação da Agência Brasil, o governo já desligou mais de 26 mil trabalhadores do setor público federal, provincial (estados) e municipal. Os manifestantes seguiram em marcha até a Casa Rosada, sede do governo, em Buenos Aires.

Entidades como a Central Sindical dos Trabalhadores Argentinos (CTA) e a Associação de Trabalhadores do Estado (ATE) criticam as demissões e pedem “a imediata reincorporação” dos funcionários. Os manifestantes reivindicam também o fim do imposto de renda sobre os salários, entre outras demandas. Os docentes universitários também participaram da manifestação.

Criminalização dos movimentos
Os trabalhadores criticam também o novo protocolo de segurança estabelecido por Macri, que proíbe os bloqueios viários, um dos principais métodos de mobilização dos sindicalistas argentinos. Segundo as entidades, o protocolo criminaliza os protestos no país, e limita a cobertura dos protestos pelos jornalistas à uma área estabelecida pela polícia.

Fonte: http://www.andes.org.br

Leia também: Argentina: cresce a resistência ao ajuste (fonte LIT-QI)