25 de janeiro de 2016

Fala Toninho: “São José passa a ter tarifa de ônibus maior que 25 capitais do país. Chega de aumento!”

25/1/2016 - Em entrevista ao jornal O Vale, o secretário de Transportes, Osman Cordeiro, defendeu o novo valor da passagem de ônibus em São José dos Campos e disse que há poucos avanços a serem feitos no sistema de transporte coletivo. Disse que o que tinha de ser feito na cidade já foi. Uma provocação!

Quem utiliza o transporte coletivo sabe bem os problemas que ainda persistem. Os veículos ainda trafegam lotados e o número de linhas e horários ainda é muito insuficiente.

O secretário citou o Bilhete Único, justificando que ele permite que os usuários façam quatro viagens com uma única passagem no período de duas horas. Ora, o que se faz em duas horas? Para a maioria dos trabalhadores e da juventude, que usa o transporte para o trabalho ou para o estudo, não dá para fazer nada.

O fato é que R$ 3,80 é um assalto no bolso dos trabalhadores!

Esse reajuste de 11,7% faz São José ter uma tarifa maior que 25 capitais do país, igual a de cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, que são muito maiores. É um grave ataque aos trabalhadores e ao povo, que em média gastam cerca de 20% do orçamento familiar com transporte.

O aumento da inflação no país está afetando em cheio o custo de vida da população.  A cada dia está mais difícil fazer nosso salário dar conta de despesas essenciais, como alimentação, aluguel, tarifas de água e luz, entre outras. O aumento da passagem de ônibus autorizado pelo prefeito Carlinhos (PT) vai agravar essa situação.

O fato é que, mais uma vez, Carlinhos preferiu atender aos interesses das empresas de ônibus, e não pensou nas dificuldades para o povo.

Pela municipalização do transporte!
As planilhas de cálculo apresentadas pelas empresas de ônibus, e levadas em conta pela Prefeitura para determinar o aumento da tarifa, são feitas sem transparência. Era assim no governo do PSDB e continua com o PT, com as empresas sendo favorecidas.

Os aumentos das passagens se somam às medidas tomadas pelo governo Dilma e demais governos estaduais e municipais para jogar a crise nas costas dos trabalhadores. Medidas como o aumento das tarifas (luz, água), os cortes de verbas na saúde e na educação, o crescimento da inflação e do desemprego e os ataques à Previdência.

Por isso, é preciso intensificar e fortalecer os protestos que estão ocorrendo nas cidades contra os aumentos das passagens e também contra os ataques dos governos. Não podemos pagar pela crise!

O transporte não é uma mercadoria. É um direito da população e não pode ser fonte para garantir lucros exorbitantes aos empresários, prejudicando milhares de pessoas.

O PSTU defende que o transporte público deve ser municipalizado, sob controle dos trabalhadores e da população.

Com isso, é possível uma tarifa mais barata. Sendo uma empresa pública, o objetivo é atender as necessidades do povo e não a ganância por lucros de empresários.

Toninho Ferreira é presidente do PSTU de São José dos Campos e suplente de deputado federal