11 de março de 2014

Intelectuais divulgam manifesto contra a repressão e a criminalização dos movimentos sociais

11/3/2014 - Um grupo de professores universitários e intelectuais divulgou um manifesto contra a recente escaldada de repressão e criminalização dos movimentos sociais. Confira:

"Contra a repressão e a criminalização dos movimentos sociais"

As jornadas de junho marcaram um avanço importante nas lutas democráticas no Brasil. Para as classes dominantes e os governantes de plantão um sinal de alerta acendeu. Querem retomar o controle das ruas e garantir a ordem social conservadora. A reação se prepara para os inevitáveis enfrentamentos futuros.

À medida que a Copa do Mundo se aproxima, cresce a sanha repressiva dos governos estadual e federal. A intensa repressão à manifestação de 22 de fevereiro em São Paulo foi só o primeiro passo. Mais de 200 ativistas foram presos, inclusive um professor da USP, jornalistas impedidos de trabalhar e advogados retidos nas delegacias.

O Senado discute agora projeto promovido pelo PMDB e pelo PT, que permitiria enquadrar os movimentos sociais e todos protestos como "terrorismo". Daí a grotesca manobra de utilizar a morte de um jornalista no Rio de Janeiro para atacar os partidos de esquerda e os movimentos sociais.

Um novo ato contra a Copa e pela melhoria do transporte público foi convocado para as 18 horas do dia 13 de março no Largo da Batata, em São Paulo. Ameaças começam novamente a circular contra os manifestantes. Defendemos o direito de manifestação e nos opomos firmemente à criminalização dos ativistas e movimentos sociais.

Intelectuais democratas e socialistas, protestamos contra a repressão das manifestações e o enquadramento jurídico reacionário que procura tipificar ativistas políticos e sociais como terroristas e criminosos. Dia 13 de março estaremos do lado dos manifestantes contra o aumento das tarifas. Os primeiros deste manifesto conclamam os professores universitários a conformarmos uma delegação nesse ato com objetivo de divulgarmos nosso combate pelas liberdades democráticas, de manifestação e repúdio a criminalização dos ativistas.

3º Ato contra a Copa

Se não tiver transporte não vai ter Copa!

13 de março às 18h no Largo da Batata – São Paulo (SP)

Assinam:

Adrián Pablo Fanjul (USP)

Alvaro Bianchi (Unicamp)

Antonio Mazzeo (Unesp)

Boris Vargaftig (USP)

Henrique Carneiro (USP)

Homero Silveira Santiago (USP)

Javier Amadeo (Unifesp)

Jorge Souto Maior (USP)

Leandro Galastri (Unesp)

Lincoln Secco (USP)

Luiz Bernardo Pericás (USP)

Manoel Fernandes de Sousa Neto (USP)

Márcio Moretto Ribeiro (USP)

Marcus Orioni (USP)

Margareth Rago (Unicamp)

Maurício Cardoso (USP)

Plínio de Arruda Sampaio Junior (Unicamp)

Ricardo Antunes (Unicamp)

Rodrigo Passos (Unesp)

Rodrigo Ricupero (USP)

Ruy Braga (USP)

Sean Purdy (USP)

Sílvio Camargo (Unicamp)