3 de agosto de 2016

Em debate na ACI, Toninho defende medidas como o fim da privatização da saúde, tarifa zero e escola democrática

3/8/2016 - Saúde, educação, revitalização do centro, incentivos fiscais. Estes foram alguns dos temas abordados no debate entre os candidatos a prefeito de São José dos Campos, ocorrido na última segunda-feira, dia 1°. Toninho Ferreira, candidato do PSTU, participou do debate, que reuniu ainda Claude Moura (PV), Felício Ramuth (PSDB), Luiz Carlos Oliveira (PEN) e Shakespeare Carvalho (PRB). Carlinhos Almeida (PT) fugiu do encontro.

Em meio ao costumeiro festival de promessas eleitoreiras dos outros candidatos, Toninho foi a única candidatura à esquerda, defendendo uma cidade para os trabalhadores e para a população pobre. A começar por denunciar que tanto os governos do PT e do PSDB, que governaram a cidade nos últimos 20 anos e supostamente polarizam a disputa em outubro, não resolveram os problemas da população.

Quando o tema foi sobre revitalização do centro da cidade e todos os candidatos criticam as obras feitas pelo governo Carlinhos, Toninho foi incisivo: “É fato, o centro tá bastante abandonado. Aqui quase todo mundo já foi governo e não resolveu o problema do centro. Além do mais, a preocupação não tem de ser só com o centro. Tem de ser com a periferia, com o Primavera 2, Jardim República, os bairros da zona norte”, disse.

Sobre o tema da saúde pública, Toninho defendeu o fim da política de privatização e terceirização adotada tanto nos governos do PSDB, quanto do PT. “Quase 30% do orçamento da cidade vai para a saúde. É muito dinheiro, mas não tem resolvido o problema, por que a política adotada é de privatização. Tem UBS que já nasce privatizada. Saúde não é uma mercadoria. É um dever do Estado e um direito da população. Se dá lucro para os empresários, por que não pode o próprio município gerenciar? É preciso acabar com a privatização”, disse.

Toninho defendeu ainda medidas como a adoção da Tarifa Zero no transporte público de São José e se posicionou contra o projeto de lei em tramitação na Câmara “Escola sem Partido” por ser um ataque à democracia, à livre expressão e formação crítica dos estudantes.

Ao discutir sobre a proposta de comerciantes de São José para que o kit escolar (que foi fornecido pela Prefeitura na gestão de Carlinhos e que é alvo de denúncias de superfaturamento) seja substituído por um cartão para compra de material escolar nas lojas da cidade, Toninho destacou que isso teria de ser bem avaliado. “O que não pode é ter desvio de recursos, de se inflacionar, como ocorreu com o preço dos alugueis quando colocaram cerca de 2 mil famílias para fora de suas casas ou quando na primeira licitação do kit escolar um palito de sorvete custou mais que o palito inteiro”, disse. Toninho se referiu ao despejo das famílias do Pinheirinho, no governo Cury (PSDB), que tiveram muitas dificuldades para conseguir alugar uma casa na época. O candidato do PSTU lembrou ainda outros escândalos como o roubo da merenda no governo estadual do PSDB.

Sobre a relação Câmara x Prefeitura, Toninho afirmou: “É preciso acabar com esse toma-lá-dá-cá, essa política de que é dando que se recebe, que marca a política de São José. Seria bom que os candidatos assinassem em cartório se comprometendo a acabar com isso”, desafiou.

Tema: saúde


Tema: Escola sem partido


Tema: revitalização do centro, transporte e segurança



Tema: Relação Prefeitura x Câmara