7 de março de 2016

Neste 8 de março, mulheres trabalhadoras vão às ruas para dizer que não aceitam pagar pela crise

7/3/2016 - A crise econômica se aprofunda no país e vem piorando as condições de vida dos trabalhadores, em especial das mulheres trabalhadoras. São elas as principais prejudicadas pela piora nas condições de vida, com o aumento do desemprego, o arrocho nos salários, a alta da inflação e o aumento da violência machista, bem como pelos ataques dos governos, com as políticas de ajuste fiscal que cortam verbas das áreas sociais e reduzem direitos.

É assim por que são as mulheres as mais exploradas e oprimidas na sociedade, estando nos piores postos de trabalho, recebendo os salários mais baixos, tendo de enfrentar a tripla jornada e o machismo. A situação de agrava ainda mais quando é negra ou LGBT.

Nesse 8 de Março – Dia Internacional de Luta das Mulheres, vamos às ruas para dizer que não aceitamos pagar pela crise. Vamos às ruas para lutar contra os ataques que o governo Dilma (PT), PSDB , PMDB, Congresso, Eduardo Cunha, prefeitos e governadores têm feito.

As mulheres trabalhadoras e toda nossa classe não podem apoiar nem Dilma, nem Aécio, Cunha, Temer ou Renan. Todos eles defendem e governam para os banqueiros e grandes empresários em detrimento dos direitos dos trabalhadores.

É preciso que a classe trabalhadora, homens e mulheres, através da luta, coloque para fora todos eles.
É preciso construir nas lutas um governo dos trabalhadores, sem patrões e sem corruptos, baseado na organização de conselhos populares, onde o povo discuta e decida os rumos do país.

Dia de luta
O dia 8 de março é um dia de luta. Em São José dos Campos, haverá panfletagem nas fábricas já no início do dia e às 10h, na Praça Afonso Pena. Às 14 horas, uma delegação sairá para participar de um ato unificado em São Paulo, marcado para às 17h, no Vão do Masp.
Não vamos pagar pela crise!

Algumas de nossas bandeiras neste dia 8 de março: