20 de maio de 2015

Greve histórica da GM de 1985 será relembrada em ato nesta quinta-feira, dia 21

20/5/2015 - A greve que há 30 anos entrou para a história do movimento operário no país será relembrada, nesta quinta-feira, dia 21, com o ato político “30 Anos da Greve Histórica da GM”, que acontecerá na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, às 18h.

O evento vai reunir trabalhadores e dirigentes sindicais que testemunharam a luta da categoria metalúrgica num período em que greves eram vistas como atos criminosos pelo governo militar. O ato também terá a presença do sociólogo Moacyr Pinto, autor do livro “Ação e Razão dos Trabalhadores da GM em São José dos Campos”, que relata a greve de 1985.

Foram 28 dias de paralisação (de 11 de abril a 8 de maio de 1985), sendo 17 de ocupação. Os metalúrgicos estavam em luta pela Campanha Salarial e pela redução da jornada de 48h para 40 horas semanais.

A mobilização fez parte da Greve Geral dos metalúrgicos que havia se espalhado por todo o país e que foi interrompida com a morte do presidente eleito Tancredo Neves. A trégua só não aconteceu na GM de São José dos Campos.

No dia 25 de abril, a empresa soltou uma lista com o nome de 93 trabalhadores a serem demitidos por justa causa. Foi o estopim para a ocupação da fábrica.

Naquele período, os trabalhadores enfrentaram o cerco policial, o autoritarismo da GM, a ameaça de demissão e os dias longe de casa. Foram dias bem duros, mas que mostraram toda a força dos metalúrgicos. Com o ato do dia 21, essa história será contada justamente por quem estava lá”, afirma o membro da CSP-Conlutas e da Comissão da Verdade dos Metalúrgicos, Luiz Carlos Prates, o Mancha.

O Sindicato convida todos os trabalhadores a participarem do evento. Se você conhece alguém que tenha participado da greve, avise-o sobre o ato.

Existem muitas histórias que ainda hoje permanecem desconhecidas e que precisam ser levadas a público. Quero chamar aqueles que têm uma foto, um objeto, uma lembrança da greve a vir ao ato. Será um momento importante para todos e uma ótima oportunidade de rever os companheiros de luta”, conclui Mancha.

Fonte: Sindmetalsjc