28 de agosto de 2014

Ato neste sábado, em São José, marca Dia da Visibilidade Lésbica


28/8/2014 - Neste sábado, dia 30, a partir das 10h, na Praça Afonso Pena, acontece o “Ato pelo Combate à Lesbofobia, Homofobia e Transfobia”. A manifestação é organizada pela Frente de Luta LGBT de São José dos Campos e vai marcar o dia da Visibilidade Lésbica.

O Brasil é o campeão mundial em crimes de ódio motivados pela transfobia ou homofobia. De todas as mortes ocorridas no mundo por essa motivação, 40% acontecem no Brasil. Isso representa o assassinato de um LGBT (lésbica, gay, bissexual e transgênero) por dia.

O ato vai dizer não à violência, à censura e às restrições de direitos e afetos que as mulheres lésbicas e trans sofrem diariamente.

A chance de uma mulher sofrer estupro é ainda maior se ela for lésbica. Dentre as violências sofridas por essas mulheres está o chamado “estupro corretivo”, um crime cruel supostamente cometido com a intenção de “corrigir” a orientação sexual da mulher lésbica.

Esse quadro também é motivado pela falta de leis que garantam direitos básicos aos LGBTs. As poucas leis que existem não funcionam por que as autoridades não se empenham para seu cumprimento.

Caso Adi
No último mês, a homofobia fez mais uma vítima em São José. Neste dia, a estudante Adi foi agredida na rua por sua vizinha, pelo simples fato de ser lésbica.

Adi teve ajuda policial negada no momento da agressão, o que evidencia o descaso da polícia para com a violência sofrida cotidianamente por LGBTs da classe trabalhadora.

Há um ano, essa violência causou uma vítima faltam em nossa cidade, quando Susy, uma mulher trans, foi barbaramente assassinada.

Não podemos aceitar que os governos permitam e até sejam coniventes com esses crimes de braços cruzados. Por isso, vamos às ruas neste dia 30, exigir a aprovação da lei que transforma em crime a homofobia e a transfobia (PLC 122/06). Exigimos do governo que essa lei seja aprovada de forma integral.

Vamos lutar também políticas de saúde e segurança para a mulher lésbica, pelo fim da violência policial e a desmilitarização da PM, a aprovação da lei da identidade de gênero, políticas efetivas que tirem pessoas trans da marginalidade e políticas educacionais de combate à homofobia nas escolas.