8 de julho de 2016

Parece mentira, mas não é: CNI sugere aumentar jornada de trabalho para 80 horas semanais

8/7/2016 - Em uma reunião nesta sexta-feira, dia 8, que reuniu o presidente interino Michel Temer (PMDB) e cerca de 100 empresários, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, afirmou que o governo precisa promover “medidas muito duras” e, entre as sugestões, defendeu aumentar a jornada de trabalho para 80 horas semanais.

Isso mesmo: 80 horas semanais. Não bastasse a reforma da Previdência que estão planejando para aumentar a idade mínima da aposentadoria para 65 anos, o governo Temer e os empresários seguem com a meta de fazer os trabalhadores morrerem de tanto trabalhar.

Hoje, pela Constituição brasileira, o limite da jornada semanal é de 44 horas. Contudo, nos últimos anos, a luta do movimento sindical e das organizações dos trabalhadores é de que esse limite caia para 40 horas semanais. O PSTU defende 35 horas semanais.

Principalmente, em meio a atual crise econômica, que no país já resultou em mais de 11 milhões de desempregos, a bandeira da redução da jornada é cada dia mais necessária. Afinal, é preciso trabalhar menos, para que todos trabalhem.

Para justificar sua sugestão, o presidente da CNI citou como exemplo a reforma trabalhista da França, que aumentou a jornada de trabalho e flexibilizou os direitos trabalhistas, precarizando as condições de trabalho e facilitando as demissões.

Ele só esqueceu que a tal reforma da França é a responsável pela onda de protestos e greves gerais que vive o país desde o início deste ano. Os trabalhadores e a juventude franceses protagonizam uma das principais lutas em curso no mundo atualmente.

A repercussão da tal sugestão da CNI foi tão negativa e tão rápida que a confederação patronal emitiu nota, afirmando que “jamais” a entidade defendeu a aplicação no Brasil das medidas adotadas na França.

O governo Temer, no site governamental "Agência Brasil", que publicou a notícia assim como vários órgãos da imprensa, também se apressou em voltar atrás e disse que “errou” na informação, reafirmando a mesma desculpa da CNI (http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-07/agencia-brasil-errou).

Fora Temer! Fora Todos Eles! Greve Geral para derrotar o ajuste fiscal
Em meio à grande insatisfação popular e as lutas que pipocam pelo país, a CNI e o governo Temer se apressaram a negar seus planos, mas aplicar um duro ajuste fiscal, com brutal retirada de direitos, é o verdadeiro plano de Temer e dos patrões.

O  ajuste fiscal às custas de ataques aos direitos trabalhistas, que começou com Dilma que reduziu o seguro desemprego e o PIS, segue com outras medidas como a ampliação da terceirização, a dificuldade para concessão do auxílio-doença, a reforma da Previdência, e outros.

É mais do que urgente construir uma forte e grande greve geral no país para derrotar Temer, os picaretas do Congresso Nacional, e barrar de vez este ajuste fiscal que pretende jogar a crise sobre os trabalhadores e o povo. Fora Temer! Fora Todos Eles!