11 de junho de 2015

Comissão do PSTU vai ao Congresso Nacional contra reforma política antidemocrática

11/6/2015 - Uma comissão do PSTU visitou, nessa quarta-feira, 10, o Congresso Nacional a fim de buscar apoio à luta contra a reforma política antidemocrática que a Câmara está votando.

Compuseram a comitiva Cyro Garcia, ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro, Ernesto Gradella, ex-deputado federal por São Paulo e Toninho Ferreira, advogado dos lutadores do Pinheirinho em São José dos Campos (SP) e suplente de deputado federal.

Caso aprovada no Congresso, a cláusula de barreira tirará da TV o PSTU, PCB, PCO e PPL, poucos dos partidos ideológicos que existem hoje no país. Sob o falso pretexto de combater os partidos de aluguel, essa reforma política visa, na verdade, colocar os partidos de esquerda numa condição de semi-legalidade. A visita ao Congresso faz parte da luta para barrar mais esse ataque que tornará as eleições ainda mais antidemocráticas.

"Na Câmara estivemos com o deputado Cabo Daciolo, com os deputados Chico Alencar e Ivan Valente do PSOL, com o deputado Alessandro Molon do PT, com a deputada Jandira Feghali do PCdoB, e com os deputados Celso Pansera e Leonardo Picciani do PMDB" informa Cyro. "No Senado, onde a votação ainda vai se dar, estivemos com os senadores Paulo Paim e Lindbergh Farias do PT, Randolfe Rodrigues do PSOL, Roberto Requião do PMDB e Romário do PSB", relata.

No Senado, a comissão conseguiu a realização de uma audiência pública sobre a reforma política para o dia 6 de julho, na qual os partidos atingidos serão convidados a integrar a mesa. Além disso, todos os parlamentares contatados pelo PSTU se comprometeram a apresentar uma emenda à cláusula da Câmara com o objetivo de garantir a democracia e a continuidade do acesso à TV a todos os partidos.

"Avalio que nosso trabalho foi bastante positivo, mas sabemos que teremos que fazer uma ampla campanha envolvendo a classe trabalhadora, a juventude, os intelectuais progressistas e diversos outros setores democráticos para assegurar o nosso direito de continuar apresentando nas eleições um programa classista e socialista para os diversos setores explorados e oprimidos da nossa sociedade", finaliza Cyro Garcia.


Leia mais:

“Reforma Política” ataca partidos ideológicos e legaliza financiamento dos corruptos

Congresso da CSP-Conlutas aprova moção contra reforma política antidemocrática