6 de maio de 2015

Centrais fecham acordo: Dia 29 vai ter paralisação nacional e manifestações, rumo à Greve Geral

6/5/2015 - Nesta quarta-feira, 6, aconteceu em São Paulo uma reunião entre a CSP-Conlutas, CUT, CTB, UGT e Intersindical (CCT) onde se fechou um acordo para convocar um dia nacional de paralisação e manifestação no próximo 29 de maio.

A pauta acordada prevê a luta contra as terceirizações, as duas Medidas Provisórias da Dilma que mexem com direitos trabalhistas e previdenciários (664 e 665), o ajuste fiscal, em defesa dos direitos e da democracia.

É muito importante esta decisão porque fortalece a mobilização dos trabalhadores contra os principais ataques aos seus direitos que vem sendo feitos pelo governo da presidenta Dilma (com as MP’s) e pelo grande empresariado junto com a cúpula da Câmara dos Deputados (com o PL das terceirizações). Por outro lado, a CSP-Conlutas segue cobrando que as centrais avancem de fato para a construção de uma Greve Geral, que pare o país para derrotar efetivamente estes ataques.

Esperamos agora, empenho das centrais na construção da paralisação. E que denunciem todos os deputados e senadores que estão votando contra os direitos dos trabalhadores. Em todos os estados vamos fazer os painéis de denúncias, incluindo aí todos que estão votando contra a nossa classe, inclusive os deputados do PT e PCdoB que assim o fizerem.

Governo tenta usar terceirização pra fazer passar as MP’s
Está em curso uma manobra do governo que é usar a indignação dos trabalhadores contra o PL das terceirizações para aprovar na Câmara, sem alardes, as duas MP’s editadas no final do ano passado e que atacam o direito ao seguro-desemprego, ao abono do PIS, entre outros.

Registre-se que, quando foi votado na Câmara, este PL só foi alvo das preocupações da mesma presidenta Dilma na parte que diminuía a arrecadação federal. Portanto, a "preocupação" agora manifesta cheira a pura demagogia.

Pior que isso, pode não passar de tergiversação para ocultar a aprovação das MP’s e do ajuste fiscal que seu governo está fazendo, e que agride os direitos dos trabalhadores da mesma forma que o PL 4330.

Se há mesmo uma posição contrária do governo ao PL das terceirizações, basta a presidenta anunciar que vai vetar o projeto integralmente, caso seja aprovado no senado. Estaria resolvido o problema.
O governo e as lideranças dos partidos de sua base de sustentação - PT à frente - querem aprovar as MPs e o ajuste já a partir desta semana. É preciso lutar para que isso não aconteça.

As centrais sindicais tem a obrigação de fugir desta manobra, e de lutar contra todas as medidas que atacam os direitos dos trabalhadores. A CUT tem de demonstrar contra as MPs da Dilma a mesma indignação que mostra contra o PL 4330. A Força Sindical tem de demonstrar contra o PL 3330 a mesma indignação que diz ter contra as MP’s da Dilma.

E todas devem se unir ao chamado feito pela CSP-Conlutas, para a preparação de uma Greve Geral no país, que derrote todas estas medidas, defendendo de forma efetiva os direitos dos trabalhadores.

Por Zé Maria, presidente nacional do PSTU