26 de junho de 2017

Nesta quarta (28), Fórum de Lutas do Vale do Paraíba faz reunião para organizar Greve Geral na região


26/6/2017 - Por todo o país, categorias estão aprovando a adesão à Greve Geral marcada para a próxima sexta-feira, dia 30 de junho, e reuniões e plenárias discutem a organização da mobilização que promete parar o país. O Fórum de Lutas do Vale do Paraíba realiza reunião nesta quarta-feira (28) para acertar os detalhes da paralisação na região.

A expectativa das entidades é realizar uma mobilização maior e mais forte que a realizada em 28 de abril.

À época, o Fórum de Lutas do Vale do Paraíba reuniu mais de 20 sindicatos de várias categorias, mobilizando trabalhadores como metalúrgicos, condutores, químicos, comerciários, bancários, trabalhadores dos Correios, da alimentação, aposentados, professores, petroleiros, entre outros. A mobilização parou tudo na região: transporte, indústrias, comércio, bancos, estradas e avenidas.

A disposição de luta é grande. O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, por exemplo, realizou no último sábado (24) uma reunião com o Conselho de Representantes da entidade, formado por ativistas e trabalhadores da base e, por unanimidade, confirmou a disposição da categoria em parar as fábricas para derrubar as reformas trabalhista e da Previdência e exigir a saída de Temer (PMDB) e dos corruptos do Congresso Nacional.

O Sindicato dos Químicos realizou o Congresso da categoria neste último final de semana e, além de votar a filiação à CSP-Conlutas, também aprovou a adesão da categoria à Greve Geral do dia 30.

O Sindicato dos Condutores, em campanha salarial, nas assembleias com motoristas e cobradores da categoria, tem discutido a necessidade da Greve Geral.

“Muitas centrais diziam que seria impossível, que os trabalhadores não estavam preparados para uma Greve Geral. Mas em abril vimos que a realidade foi outra, com 40 milhões de pessoas paradas. Agora, vamos novamente mostrar a força da classe trabalhadora”, afirma o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos e militante do PSTU Weller Pereira Gonçalves, que conduziu a reunião do Conselho.


Uma forte Greve Geral para derrotar Temer e avançar na organização dos trabalhadores
O PSTU está com toda sua militância na construção da Greve Geral. Nas fábricas, nos locais de trabalho em geral, nas escolas, nos bairros, distribuímos milhares de panfletos para ajudar a construir a mobilização.

“É preciso organizar os comitês pela base, realizar assembleias nas categorias, aglutinando os trabalhadores organizados com a população pobre das periferias. É necessário realizar uma grande greve com manifestações em todo o país e explicar aos trabalhadores que só mudaremos de fato a situação do país com um governo da nossa classe, independente dos banqueiros e grandes empresários”, afirma Toninho Ferreira, presidente do PSTU de São José dos Campos.

“Temos que avançar na organização da classe e da população pobre, não só para a luta contra esse governo, mas para irmos construindo desde já uma alternativa de poder dos trabalhadores, rumo um governo socialista, que funcione com base em Conselhos Populares”, disse.