20 de abril de 2017

Emoção marca apresentação do filme “Elas continuam lutando” às famílias do Pinheirinho

20/4/2017 - A criançada era maioria. Iam chegando e perguntando onde seria a “sessão” de cinema. Mães, pais e vários jovens também foram se aproximando, trazendo banquinhos para sentar. Quando a kombi do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos chegou ao conjunto habitacional pinheirinho dos palmares, na noite desta quarta-feira (19), e começou a preparar os equipamentos para mais uma sessão do projeto “Cine Revolução”, a alegria e a expectativa tomou conta dos presentes.

A curiosidade era grande para assistir o documentário “Elas continuam lutando”, que retrata a história da ocupação Pinheirinho, onde as famílias ali presentes moraram até a desocupação em 2012.

O filme, produzido pela produtora Davi Filmes, com apoio do Sindicato, é narrado por três ex-moradoras da ocupação: Elisângela da Silva, Gina de Souza e Carmem Benedita, que ontem também estavam presentes para o lançamento.

As imagens foram aos poucos trazendo as lembranças de volta. Risadas, brincadeiras, emoção, foram vários os sentimentos demonstrados ao longo da apresentação do filme, que prendeu a atenção de todos durante 25 minutos. Nem mesmo os pequenos “problemas técnicos” que ocorreram e causaram apagões momentâneos no telão tiraram o bom humor e a atenção. Ao final do filme, quando já subiam os créditos, uma salva de palmas foi feita pelas famílias.

“Foi muito legal”, resumiu de forma simples o garoto Vinicius que foi um dos primeiros a chegar. Gina, uma das protagonistas do documentário disse orgulhosa “você viu como ficou cheio de gente?”.

Ainda antes da apresentação, Carmem Benedita destacou que o filme “é a história de todos nós”. Já Elisangela falou das famílias, inclusive ela, que moraram na antiga ocupação, mas ficaram sem casa. “A nossa luta ainda continua e precisa muito do apoio de vocês”, disse sendo aplaudida.

“A história do Pinheirinho foi registrada de diversas formas, principalmente a desocupação. A ideia de escolher mulheres para contar o filme, através dos seus olhares, surgiu com o objetivo de dar destaque ao setor que mais esteve na linha de frente e que foi protagonista de todo o processo que ocorreu desde a ocupação do terreno até a desocupação”, explica o diretor Viny Psoa. “Queremos que esse filme se transforme em um instrumento de luta para que outras ocupações, movimentos populares, sem teto, possam se espelhar e fazer surgir novos Pinheirinhos”, disse.

“A luta do pinheirinho não acabou e esse filme é uma demonstração de como podemos usar a arte como ferramenta de resistência e luta”, disse o diretor do Sindicato, Eduardo Gabriel, o Bob, que coordena o projeto Cine Revolução.

Toninho Ferreira, presidente do PSTU e que acompanhou a história do Pinheirinho desde o início, como direção e advogado das famílias, também se emocionou. Lembrou que foram muitas lutas travadas juntos e ter uma parte da história registrada por esse filme era muito importante. “A luta do Pinheirinho entrou para a história por sua luta e resistência”, resumiu.

Para não fugir da tradição combativa do Pinheirinho, Toninho não deixou de dar recado da Greve Geral do dia 28 de abril. “Dia 28 tem Greve Geral para derrotar os ataques do governo Temer e do Congresso, tomados por corruptos e inimigos dos trabalhadores e do povo pobre. Queremos chamar todos vocês do Pinheirinho a também se somarem às mobilizações deste dia”, disse, encerrando a atividade.

Filme será inscrito em festivais
Por enquanto, o filme "Elas continuam lutando" não será divulgado na íntegra na internet e nas redes sociais, para garantir a sua inscrição em festivais de cinema. Nos próximos meses, assim que passar essa fase, ele será divulgado a todos.

O projeto inclui também um webdoc, um site documentário que mescla interatividade e integração multimídia, que será lançado em breve, trazendo vídeos, documentos, fotos, notícias e peças jurídicas sobre a ocupação que durou por oito anos, de 2004 a 2012.