28 de abril de 2017

Confira como estão as mobilizações da Greve Geral em São José dos Campos e região


Um dos pontos da Rodovia Presidente Dutra parada nesta sexta
28/4/2017 - Acompanhe ao longo desta sexta-feira, dia 28, algumas das principais mobilizações da Greve Geral em São José dos Campos e região. A mobilização, organizada pelo Fórum de Lutas do Vale do Paraíba, reúne mais de 20 sindicatos de várias categorias de trabalhadores.
A mobilização parou tudo na região: condutores, metalúrgicos, químicos, comerciários, bancários, trabalhadores dos Correios, da alimentação, aposentados, professores, petroleiros, entre várias outras categorias. Transporte, indústria, comércio, estradas e avenidas pararam. Confira algumas das mobilizações:

23h - 24h: Em São José e Jacareí, ativistas discutem os últimos preparativos para a Greve Geral que começa em poucas horas.

Sindicato dos Metalúrgicos de SJCampos

Jacareí

2h00 - O dia começou nas primeiras horas da madrugada nas garagens de ônibus da região. A maioria dos motoristas nem chegou às garagens. A mobilização garantiu greve total no transporte público em várias cidades do Vale, como São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Taubaté, Pindamonhangaba e Guaratinguetá.

JTU, em Jacareí
Maringá, SJC

4h - Depois de garantir  greve de condutores, várias fábricas começaram a entrar na Greve Geral. Na região, inclusive, várias empresas sabendo da disposição dos trabalhadores e de que a paralisação era inevitável, no dia de ontem anunciaram a liberação dos funcionários nesta sexta. Foi o caso de fábricas como as metalúrgicas GM, Embraer, Avibrás, TI Automotive, Armco, entre outras. Quem pagou pra ver, enfrentou a paralisação nesta sexta. Não houve produção em várias empresas, como as metalúrgicas Latecoere, MWL, Parker Hannifin, Deca, nas químicas Johnson &Johnson e Basf, na cervejaria Heineken e mesmo na Ambev, que chegou a contratar helicópteros para forçar os funcionários a trabalhar, depois que parte dos trabalhadores foi liberada. A produção foi afetada e não funcionou 100%. Correios estão parados desde quinta-feira. Bancos foram fechados e o centro comercial de São José e Jacareí teve a maioria das portas fechadas.

Latecoere, Jacareí

Estrada que leva à montadora Chery e à cervejaria Ambev

Johnson & Johnson



Ericsson
Revap

Centro de distribuição dos Correios

Heatcraft

7h  - Em vários pontos a Rodovia Presidente Dutra foi paralisada pelos manifestantes.





5h  - Dia de Greve Geral também tem as mulheres na linha de frente da luta



10h - Em São José dos Campos e Jacareí, manifestantes também tomam as ruas e realizam atos pelos centros das cidades. Os comércios que já não estavam fechados, foram fechando conforme avançava a passeata.

SJC


SJC

SJC

Jacareí
13h - Lamentavelmente, o dia acabou marcado por um grave acidente. Diante de uma manifestação de jovens na Via Dutra, por volta das 13h, um motorista avançou contra os manifestantes, atropelando e ferindo gravemente duas jovens. Elas foram socorridas e levadas ao pronto-socorro da Vila Industrial e o motorista foi perseguido e preso por tentativa de homicídio.



14h - Os piquetes nas garagens de ônibus e nas fábricas da região continuaram na parte da tarde. Em São José e Jacareí, por exemplo, as empresas Sans Peña, Maringá e CS Brasil, e a JTU, não tiveram ônibus circulando novamente. Em Jacareí, na Latecoere, os trabalhadores do 2° turno também não trabalharam, e os trabalhadores da Heineken foram liberados depois do protesto da manhã.

Foi um dia de luta vitorioso. O dia de Greve Geral no Vale do Paraíba parou o transporte, indústrias, bancos, comércio e avenidas e estradas da região, numa inconteste demonstração do apoio dos trabalhadores e da ampla maioria da população. O governo Temer e o Congresso Nacional de corruptos não têm qualquer apoio ou legitimidade, muito menos para aprovar medidas absurdas, como as reformas da Previdência, Trabalhista e a terceirização.

Foi o primeiro round de uma batalha que vai continuar. No próximo dia 1° de Maio, os sindicatos que se unificaram neste dia 28 já programam manifestações para marcar o Dia Internacional do Trabalhador e a luta já aponta para uma grande manifestação em Brasília.