31 de março de 2017

Gilmar Mendes vem a São José na próxima segunda (3) e será recebido com protesto

31/3/2017 - O almoço entre empresários de São José dos Campos e região com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, na próxima segunda-feira, dia 3, tem tudo pra se tornar bem indigesto. Sindicatos de várias categorias programam um protesto contra o ministro, conhecido por defender medidas reacionárias e contra os trabalhadores.

Mendes virá à cidade para um almoço-debate no Hotel Golden Tulip, que fica dentro do Shopping Colinas. O evento está marcado para ocorrer entre as 12h e 14h30.

Sindicatos, como dos metalúrgicos, químicos, servidores municipais, entre outros, levarão faixas e cartazes para a frente do shopping, a partir das 11 horas. O PSTU estará presente.

Quem é Gilmar Mendes
Inidicado para o STF em 2002, durante o governo Fernando Henrique (PSDB), Gilmar Mendes coleciona uma série de polêmicas que, não à toa, o fazem ter a fama de inimigo dos trabalhadores e de ser um “tucano de toga”.

Mendes é autor de diversas declarações polêmicas contra o combate à corrupção e em defesa da anistia aos políticos de todos os partidos envolvidos com Caixa 2. A ação que tramitava no Supremo e acabava com o financiamento privado de campanhas eleitorais nunca foi julgado, apesar de ter a maioria dos votos dos demais ministros, pois Mendes pediu vistas e sentou em cima do processo, sem dar continuidade ao julgamento.

Sem falar na parcialidade para julgar casos que envolvam políticos acusados de corrupção, principalmente se for do PSDB. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fez dois pedidos ao STF para investigar o senador Aécio Neves, envolvendo casos de corrupção em Furnas e no Banco Rural. Ele devolveu os dois à PGR, alegando que a resposta dada pela defesa do parlamentar tucano havia sido “suficiente”.

Em 2009, durante um bate-boca no plenário do STF, o hoje ministro aposentado Joaquim Barbosa disse que Mendes não estava “falando com os seus capangas do Mato Grosso”.

Não à corrupção, à impunidade e as reformas do governo Temer
O protesto dos trabalhadores ocorre na semana em que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), corte atualmente presidida por Mendes, começará a julgar o processo que pede a cassação da chapa Dilma/Temer.

Os manifestantes vão protestar contra o ministro e levantarão bandeiras contra a corrupção, a impunidade e pela cassação da chapa Dilma/Temer.

O projeto aprovado pela Câmara dos Deputados que permite a terceirização irrestrita e as reformas Trabalhista e da Previdência também serão alvo do protesto.

“O povo não aguenta mais tanta corrupção, impunidade e ataques aos direitos. Temer tem de ser cassado junto com Dilma, pois faziam parte da mesma chapa, do mesmo governo, das mesmas maracutaias. De imediato, defendemos eleições gerais para todos os cargos no país, sob novas regras mais democráticas, e a Greve Geral para derrotar as reformas”, afirma Toninho Ferreira, presidente do PSTU de São José dos Campos.