6 de novembro de 2016

Vem aí um novembro negro e de lutas

01/11/2016 - “Aquilombar para Reparar”. Este é o tema que vai marcar as atividades do Novembro Negro este ano. No mês da Consciência Negra, vamos discutir a necessidade e a importância dos trabalhadores, negros e negras, se “aquilombarem”, ou seja, se organizarem para lutar pela reparação histórica em relação à questão racial e também contra as reformas do governo Temer.
Em São José dos Campos, organizações do movimento negro já discutem a realização de um dia de atividades no dia 19 de novembro. A proposta é realizar um ato político/cultural na zona sul, junto à população da periferia.

“Queremos resgatar a tradição dos quilombos no sentido da unidade e organização dos oprimidos assim como foi na época de Zumbi dos Palmares”, explica Raquel de Paula, do Movimento Quilombo Raça e Classe e militante do PSTU.

“Os trabalhadores e a juventude negra precisam se organizar para cobrarmos dos governos a reparação histórica por anos opressão e exploração racista, bem como para lutar para barrar os ataques que estão por vir por parte do governo Temer”, disse.

“Vivemos hoje uma conjuntura em que a crise e os ataques dos governos aumentaram a exploração e a violência contra negros e negras. Vemos isso hoje nas mortes de jovens nas periferias, na desigualdade que ainda persiste no mercado de trabalho e principalmente com as medidas que vem sendo anunciadas pelo governo. A PEC 241, as Reformas da Previdência e Trabalhista, a Reforma do Ensino Médio, entre outros ataques, terão impacto maior para a população negra, com destaque especial para as mulheres e LGBT’s negras”, afirmou.

“Nós, do Movimento Quilombo Raça e Classe, da CSP-Conlutas e do PSTU estaremos empenhados em construir um novembro negro e de lutas, com a realização de Marchas da Periferia, bem como na participação dos dias nacionais de mobilização que estão sendo convocados pelas centrais para o dia 11 e 25 de novembro”, concluiu.