27 de junho de 2016

Fala Toninho: “O pedido de impeachment de Carlinhos e as eleições 2016”

27/6/2016 - Ganhou destaque na imprensa e nas redes sociais na semana passada o embate em torno do pedido de impeachment contra o prefeito de São José dos Campos, Carlinhos Almeida (PT). Com direito a empurra – empurra na galeria da Câmara, entre partidários do PT e da oposição, o pedido acabou sendo arquivado, mas acirrou a disputa para as eleições deste ano.

Na onda do processo de impeachment da presidente Dilma, o MBL (Movimento Brasil Livre) surpreendeu e apresentou um pedido de afastamento de Carlinhos em razão do atraso de repasse ao Instituto de Previdência dos Servidores Municipais. Isso foi o mote para o PSDB e os partidos do chamado “Centrão”  tentarem desgastar o já combalido governo Carlinhos.

Segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), líderes do MBL na região foram doadores de campanha de rivais de Carlinhos.

Falsa polarização
O episódio é uma demonstração da tentativa de polarização das eleições municipais que ocorrerão em outubro. Mas novamente o que assistimos é uma falsa polarização, pois tanto o PT, como o PSDB, e outros partidos como o PMDB, PRB e PV, que já anunciaram pré-candidatos ao Paço Municipal, na prática representam um mesmo projeto de poder, que serve apenas aos interesses dos poderosos, em detrimento das necessidades dos trabalhadores e da maioria do povo.

O fato é que as eleições municipais deste ano não passarão ao largo da grave crise política instalada no país. PT, PSDB, PMDB, PRB, enfim, os mesmos partidos que estão afundados nos escândalos de corrupção e são responsáveis pelos ataques aos direitos dos trabalhadores e às condições de vida do povo, estarão cinicamente nas eleições apresentando candidatos às prefeituras e câmaras, com falsas promessas e muita demagogia.

A coordenação regional do PT já teria definido o discurso a ser adotado na campanha para a reeleição de Carlinhos. A ideia seria alegar que os casos de corrupção no país envolvem todas as principais siglas. Dá vergonha alheia! De fato a maioria dos partidos está atolada em corrupção, mas daí dizer que isso seria uma espécie de justificativa ou atenuante é a comprovação da degeneração definitiva do PT.

Seguindo resolução nacional, os petistas também não descartam reeditar uma aliança com o PMDB. Apesar de publicamente chamá-los de “golpistas”, para reeleger a qualquer custo os mandatos do partido, vale tudo.

Por sua vez, o PMDB vai tentar “capitalizar” o governo Temer. Uma piada. Não bastasse o histórico fisiológico deste partido, que faz qualquer coisa pelo poder e por cargos, o governo interino é a temeridade que estamos vendo. Formado por “notórios corruptos”, Temer já perdeu três ministros em pouco mais de um mês e pretende concretizar a qualquer custo o que Dilma tentou, mas não foi capaz de concluir: um brutal ajuste fiscal, avançando em ataques como as privatizações e as reformas da Previdência e Trabalhista, que vão piorar ainda mais as condições de vida do povo.

Já o PSDB quer retomar a Prefeitura que já governou por quatro mandatos. Demagogicamente, tentarão se mostrar como os defensores da moral e da ética, um discurso que não se sustenta. O PSDB é o fiador da atual política do PDMB de Temer, fazendo parte do governo e defendendo medidas como a proposta de ampliação das terceirizações no país. Compartilha, inclusive, dos mesmos escândalos de corrupção. Quem não conhece o esquema do Aécio?

PV e PRB que anunciaram pré-candidatos em São José também terão de manobrar bastante para se desvencilhar da responsabilidade na atual crise política. O PRB é um dos fieis aliados de Eduardo Cunha no Congresso. Nas últimas eleições foram financiados por empreiteiras da Lava Jato, tendo vários políticos envolvidos na operação. O PV, cuja pré-candidata participou de todos os governos do PSDB em São José, também está envolvido na Lava Jato.

Pré-candidato do PRB faz pose ao lado de Eduardo Cunha

Eduardo Cury (PSDB), de São José, com Cunha, Bolsonaro, MBL e cia

A indignação dos trabalhadores e a falta de credibilidade nas instituições precisam reverter em ação contra todos esses políticos e partidos afundados neste sistema corrompido e que funciona apenas em benefício dos interesses dos poderosos e corruptos.

O PSTU é o único partido que tem defendido o Fora Temer - Fora Todos Eles. Não queremos Temer, mas também não queremos a volta de Dilma ou a permanência de figuras como Cunha, Renan, Aécio e esse Congresso de picaretas. É preciso por todos para fora! Por isso, defendemos que em outubro possam ocorrer eleições gerais para todos os cargos, de presidente da República a prefeito e vereadores. O povo tem o direito de revogar o mandato de quem quiser.

Em São José dos Campos, ou em Jacareí onde o cenário é semelhante, é preciso acabar com a falsa polarização entre PT e PSDB e seus partidos aliados. Todos eles estão metidos na corrupção e defendem a política de ajuste fiscal para jogar nas costas dos trabalhadores e do povo o custo da crise econômica.

Nas lutas e nas eleições, os trabalhadores precisam construir uma alternativa classista e de esquerda, para fortalecer a mobilização em defesa dos direitos e por uma cidade voltada aos interesses dos trabalhadores e da maioria do povo.

Toninho Ferreira é presidente municipal do PSTU de São José dos Campos e suplente de deputado federal