6 de abril de 2016

“Sem salário, nem seguro-desemprego, quem está pagando pela crise somos nós, trabalhadoras”, denuncia metalúrgica da Sun Tech

6/4/2016 - A luta das metalúrgicas da Sun Tech de São José dos Campos contra o calote é um símbolo do dilema enfrentando por muitas trabalhadoras Brasil afora: diante da crise econômica, muitas empresas simplesmente fecham as portas e vão embora, sem pagar salários e direitos.

A fábrica, que funciona como terceirizada da LG na montagem de smartphones e celulares anunciou o fechamento das atividades em dezembro, demitindo todas as 320 trabalhadoras, sem pagar as férias, o 13º salário, a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), seis meses do FGTS, além da multa de 40% sobre o saldo do Fundo de Garantia. Um verdadeiro calote.

Para piorar ainda mais o drama das trabalhadoras, a maioria mãe e arrimo de família, o governo não liberou o seguro-desemprego, sessenta dias após o pedido.

“Estou passando dificuldades em casa, com água e luz atrasados, vivendo de empréstimos dos meus pais. É desesperador passar por esta situação após anos de trabalho. A empresa me deve cerca de dez mil reais”, afirma Elenice de Souza Dias.

Para a trabalhadora, o fechamento da empresa e a demissão são parte de uma farsa da Sun Tech para rebaixar salários e direitos. Isso porque três meses após ter fechado as portas, a fábrica voltou a produzir, com um número menor de funcionárias, que estão trabalhando em situações precárias.

Segundo Aline Bernardo dos Santos, diretora do Sindicato dos Metalúrgicos, a Sun Tech está pagando às trabalhadoras apenas os salários. Todos os outros direitos da categoria, como auxílio-creche e convênio médico foram cortados.

Seguro-desemprego
Na luta garantir seus direitos, as trabalhadoras da Sun Tech realizaram mais um ato nesta quarta-feira, dia 6, em frente ao Ministério do Trabalho de São José dos Campos. A mobilização teve como objetivo pressionar o governo federal pela liberação do seguro-desemprego, que representaria um pequeno alívio diante da dificuldade da situação.

Com faixas e cartazes, as trabalhadoras denunciaram não só a empresa, mas também o governo Dilma, o Congresso e todos os corruptos do país, levantando a bandeira do “Fora Todos, Eleições Gerais já”.

“O governo está desrespeitando o trabalhador, só estamos exigindo o que é nosso por direito. Fomos demitidas sem nossos direitos e quanto cobramos nosso direito do governo, ele simplesmente não paga e não dá satisfação”, afirma Francinete Maria da Silva, ex-trabalhadora da Sun Tech.

“Estamos cobrando o Ministério do Trabalhado toda semana e a resposta é sempre a mesma: faltam servidores públicos para dar andamento aos processos. Isso é culpa do governo, que além de cortar nossos direitos ainda está cortando o número de servidores públicos que atendem o trabalhador”, avalia Aline.

“Infelizmente, quem está pagando pela crise econômica do país somos nós, trabalhadoras. Eu tenho certeza que na casa da Dilma, na casa dos banqueiros não está faltando nada!”, denuncia Aline.


Por Manuela Moraes, de São José dos Campos

Fotos: Manuela Moraes