9 de dezembro de 2015

Trabalhadoras lutam contra demissões e calote da LG e suas terceirizadas. Todo apoio!

Passeata das trabalhadoras da Sun Tech (Foto: Roosevelt Cássio/Sindmetalsjc)
9/12/2015 - As trabalhadoras da Sun Tech, empresa metalúrgica de São José dos Campos, terceirizada da LG, iniciaram essa semana uma grande luta contra o calote dos débitos trabalhistas planejado pela empresa, que na última segunda-feira, dia 7, anunciou fechamento da fábrica.

As 320 metalúrgicas estão sem receber salários e 13º, e o FGTS não é depositado há seis meses. Na terça-feira, as trabalhadoras saíram em passeata e conseguiram na Justiça o arresto de bens da empresa. Elas prometem intensificar a luta para evitar o golpe da empresa e garantir seus direitos.

A Sun Tech atua em São José dos Campos desde 2008, produzindo exclusivamente celulares para a LG, que fica em Taubaté.

"Depois de anos de serviços prestados, este é o presente de fim de ano que a empresa nos dá. Mas não vamos aceitar esta situação. Estamos unidas e vamos até o fim para fazer com a Sun Tech e a LG respeitem nossos direitos", afirma Luciene da Silva, trabalhadora da empresa e diretora do Sindicato.

Blue Tech
Um dia depois de a Sun Tech ter comunicado sobre o fechamento da fábrica em São José, a Blue Tech, em Caçapava, anunciou a demissão de 50 trabalhadoras. A fábrica possui 120 funcionárias e também produz exclusivamente para a LG.

Em Taubaté, os trabalhadores da LG estão em greve desde o dia 4, em protesto contra as 453 demissões realizadas pela empresa. No primeiro semestre, a LG já havia demitido outros 285 trabalhadores.

Empresas como a LG foram amplamente beneficiadas pelas políticas de incentivos fiscais do governo. Sem contar que usaram de forma totalmente indiscriminada a terceirização para aumentar a exploração e seus lucros. Agora, diante de uma queda nas vendas, penalizam os trabalhadores, com demissões e, pior, com calote”, criticou o presidente do PSTU e suplente de deputado federal Toninho Ferreira.

É preciso cercar de todo apoio e solidariedade a luta dessas trabalhadoras em defesa dos empregos e dos seus direitos. O crescimento do desemprego já é recorde e o cenário pode piorar. Já passou da hora do governo Dilma editar uma medida provisória que impeça as demissões e garanta estabilidade no emprego. Chega de fazer ajuste para favorecer empresários”, afirmou Toninho.


Com informações Sindmetalsjc