8 de junho de 2015

Reunião internacional tem representações de 30 países


8/6/2015 - Teve início nesta segunda-feira, dia 8, a reunião da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas. Serão dois dias de atividade com a presença de representações de aproximadamente 30 países, sendo alguns deles em guerra civil, ditaduras e ocupações militares, como Síria, Haiti, Egito e Palestina.

A 2° Reunião da Rede é organizada pela CSP-Conlutas (Brasil), Solidaires (França) e CGT (Espanha).

Entre os temas debatidos estão o balanço político das atividades e campanhas assumidas, a consolidação dessa iniciativa como um espaço de organização, solidariedade e difusão das lutas pelo mundo pautadas pela ação sindical autônoma, independente de patrões e governos, de base, classista, internacionalista e de confrontação com o capital.

A atividade ocorre após o vitorioso 2º Congresso Nacional da CSP-Conlutas, cuja abertura contou a presença de integrantes da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas, que emocionou os presentes.

A Rede tem relações com sindicatos em mais de 40 países e independência de governos e burocracias, em uma época de aumento da superexploração, mas também de resistência dos trabalhadores e das populações oprimidas.

A articulação da Rede destoa do tradicional sindicalismo que vê como saída uma política de cooperação com o capital. Por esse perfil específico, ela pode tornar-se um polo de atração para outras entidades de trabalhadores.

“O fato é que as entidades sindicais que existem no mundo hoje têm colaborado com os capitalistas. Nós, da Rede, achamos que não há como colaborar com os capitalistas, pois os interesses deles são opostos aos que nós defendemos”, pontuou Mauro Puerro, um dos representantes da CSP-Conlutas na Rede Sindical.

“Por isso, a importância de realizarmos essa reunião e de unirmos no mundo todo as entidades que continuam defendendo os interesses da classe trabalhadora. Só a unificação das lutas e um projeto comum vai nos levar à vitória”, completou Puerro.