6 de janeiro de 2015

Todo apoio à greve dos metalúrgicos do ABC. Dilma tem de proibir demissões!

6/1/2015 - Os trabalhadores da Volks, de São Bernardo do Campo, iniciaram nesta terça-feira, dia 6, uma greve por tempo indeterminado em protesto a 800 demissões anunciadas pela montadora.

A notificação de dispensa foi recebida pelos metalúrgicos entre o último sábado e segunda-feira, com a orientação de que comparecessem no local de trabalho nesta terça-feira. Outros 11 mil metalúrgicos também receberam telegramas, com conteúdo diferenciado, que alertava para “o início imediato de ações de adequação de efetivo” e que a “primeira etapa será anunciada em 6/1/15”.

A Mercedes Benz também demitiu nesta segunda-feira, 244 trabalhadores que estavam em lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho).

Com a desculpa da queda nas vendas de veículos, as montadoras não pensam duas vezes em jogar nas costas dos trabalhadores a conta dessa suposta crise. Contudo, nada falam dos mais de R$ 12 milhões que receberam do governo em isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) nos últimos anos e dos mais de R$ 36 bilhões que enviaram em forma de remessa de lucro ao exterior para suas matrizes, entre 2010 e 2013.

As demissões são uma clara forma de chantagear os trabalhadores e pressionar por redução de direitos e mais benefícios do governo.

O presidente nacional do PSTU, José Maria de Almeida, repudiou as demissões na montadora e cobrou o governo Dilma que é preciso impedir as demissões.

“O governo pode e deve baixar uma medida provisória que proíba as demissões. Se o governo baixou dezenas de medidas provisórias para ajudar as empresas durante todos esses anos, destinando a elas mais de 27 bilhões de reais em recursos públicos, porque não pode tomar uma medida para ajudar os trabalhadores neste momento?”, disse Zé Maria.

“O governo pode e deve estatizar as empresas que insistirem em demitir em massa, e colocá-las sob controle dos próprios trabalhadores, garantindo o emprego de todos. E não apenas no caso das montadoras, mas também das empreiteiras da construção civil que estão demitindo em massa no país (...).  O governo pode e deve proibir de uma vez por todas a remessa de lucros para o exterior por parte destas multinacionais. Com o dinheiro que é remetido para fora do país, elas poderiam muito bem manter o emprego dos trabalhadores em nosso país”, afirmou também.

Zé Maria conclui ressaltando a necessidade da unidade e da mobilização dos trabalhadores e suas organizações para enfrentar os ataques dos patrões e governo. Confira o artigo na íntegra.

"O momento é de solidariedade e apoio total à luta dos metalúrgicos da Volks em defesa dos empregos e direitos. O ano de 2015 começou com graves ataques aos trabalhadores por parte do governo Dilma e dos patrões. Precisamos nos organizar e dar a resposta à altura", afirma Toninho Ferreira, presidente do PSTU de São José dos Campos e suplente de deputado federal.