20 de janeiro de 2015

A morte de Ricardinho e a consternação seletiva

20/1/2015 - Entristece e indigna a todxs nós o bárbaro e covarde assassinato do surfista Ricardo dos Santos - morto a tiros por um policial militar - esta semana, na Guarda do Embaú, em Santa Catarina.

Segundo contam os moradores, Ricardinho discutiu com um policial, que estaria usando drogas com o irmão na manhã de segunda-feira, dia 19, próximo a sua casa. Ricardinho foi alvejado por três tiros, sendo atingido nas costas.

É um absurdo, uma barbaridade que repudiamos e sofremos junto aos amigos e familiares, prestando toda nossa solidariedade!

Porém, também é de causar espanto e tristeza que muitos de nós sejamos seletivos ao demonstrar nossa indignação frente a essas brutalidades.

A polícia brasileira, especialmente a PM paulista, é a polícia que mais mata no mundo. E essas mortes têm cor e classe social: os jovens negros são a imensa maioria! Escondidos atrás de autos de resistência ou abertamente chacinando nossa juventude "suspeita" (leia-se negros e pobres), a polícia brasileira primeiro atira e depois pergunta!

Infelizmente, esta chacina diária não sai nos jornais e não vira manchete nas redes sociais. Somos seletivos em nossa solidariedade...

Os policiais são os donos da lei e da sua verdade: reprimem, agridem, torturam, matam, estupram e um longo etc.

São o braço armado do Estado, com salvo conduto para atirar e matar, incentivados pela impunidade e instigados pelos donos do poder!

Servir e proteger é o lema desta instituição: servir aos poderosos e proteger seus interesses!

Caminhamos a passos largos para uma encruzilhada: ou revolucionaremos todas as relações sociais e econômicas ou iremos à barbárie!

Esta polícia militar tem que acabar!

#desmilitarizajá

Por Edgar Fogaça, PSTU São José dos Campos