21 de outubro de 2013

Em dia de leilão, petroleiros da Revap aprovam continuidade da greve

21/10/2013 - No dia em que o governo Dilma realiza o leilão do Campo de Libra, os petroleiros da Revap, em São José dos Campos, aprovaram a continuidade da greve em assembleia nesta segunda-feira, dia 21. A paralisação entra no quinto dia.

Os petroleiros, em greve nacional desde o último dia 17, protestam contra o leilão do pré-sal, bem como exigem avanços nas negociações da Campanha Salarial e lutam para barrar o PL 4330 que pode ampliar as terceirizações no país.

Durante todo o final de semana, dirigentes sindicais de vários sindicatos da região e ativistas fizeram vigília na portaria da Revap.

A Petrobras tem tomado várias medidas antissindicais, desrespeitando o direito de greve dos trabalhadores. A empresa obteve um interdito proibitório, para impedir o uso de faixas e piquetes, e chegou a manter funcionários dentro da refinaria em cárcere privado.

Solidariedade internacional

Dirigentes sindicais estrangeiros participaram da assembleia na Revap nesta segunda-feira. Wendy Thompson, metalúrgica aposentada da GM e ex-presidente do sindicato local da UAW em Detroit, e Deam Parm, metalúrgico aposentado da GM e vice-presidente do sindicato local da UAW de Michigan, saudaram os trabalhadores.

Wendy parabenizou a luta da categoria e falou da importância da defesa do petróleo e da soberania do país. Parm lembrou das manifestações que agitam o país desde junho e disse que a esquerda norte-americana está atenta, pois o que acontece no Brasil é exemplo para outras lutas no mundo.

Os dirigentes estão em visita ao país para conhecer o movimento sindical brasileiro, inclusive a luta dos metalúrgicos de São José dos Campos e da CSP-Conlutas.

Mais sobre a greve nacional da categoria no site da FNP - Federação Nacional dos Petroleiros