17 de outubro de 2013

Artigo: Combater a violência contra as mulheres

17/10/2013 - A violência contra as mulheres tem sido tema recorrente na mídia e no movimento de mulheres. Como afirma a própria ONU (Organização das Nações Unidas), a situação já se tornou uma pandemia no mundo.

No Brasil, apesar do discurso dos governos Lula e Dilma, o PT manteve uma política neoliberal, priorizando os interesses dos empresários, com incentivos fiscais e privatizações. Enquanto isso, sem uma política efetiva em defesa das mulheres, a violência aumentou apesar da Lei Maria da Penha e a diferença de salários entre homens e mulheres voltou a crescer.

Com a participação de 2.300 mulheres, o tema da violência foi o debate central do 1° Encontro Nacional do Movimento Mulheres em Luta (MML), realizado em Sarzedo/MG, nos últimos dias 5 e 6. Foi um dos maiores eventos feministas dos últimos 20 anos.

Em um reflexo do novo momento que vive o Brasil, participaram trabalhadoras de diversas categorias, juventude, aposentadas, donas de casa e desempregadas de todo o país. Esteve presente ainda uma delegação internacional, com mulheres do Paraguai, Bolívia, Argentina, Peru, Espanha, Inglaterra, Índia e Síria.

Mais do que um evento feminista, a principal marca deste encontro do MML, filiado à CSP-Conlutas, foi o classismo. Avançamos ali na consolidação de um movimento de mulheres independente dos patrões e do governo, para lutar contra o machismo e a opressão.

A principal resolução aprovada foi uma Campanha Nacional contra a Violência às Mulheres, que enfocará a violência do Estado, doméstica, sexual, no trabalho e urbana.

Vamos lutar para que a lei Maria da Penha saia do papel, com investimentos dos governos. Queremos o fim do assédio moral e sexual, dos estupros, da desigualdade salarial. Vamos exigir o arquivamento dos projetos de lei do Estatuto do Nascituro e da Bolsa Estupro que tramitam no Congresso.

Aqui em São José dos Campos, vamos cobrar do governo Carlinhos (PT) a resposta à nossa pauta de reivindicações de construção de creches e de Casa Abrigo às vítimas de violência, e construir um grande dia de luta em 25 de novembro, Dia Latino-Americano Contra a Violência à Mulher.


Janaína dos Reis é da direção do MML do Vale do Paraíba e da Executiva Nacional
Artigo publicado no jornal O Vale, de 17/10/2013