22 de janeiro de 2015

Sindicatos de São José e região definem adesão a protestos no dia 28 de janeiro

22/1/2015 - Em um seminário realizado nesta quarta-feira, dia 21, sindicatos de várias categorias de São José dos Campos e região discutiram o impacto das medidas anunciadas pelo governo Dilma, que atacam profundamente os direitos dos trabalhadores, e definiram a participação no Dia Nacional de Luta por Empregos e Direitos, marcado para o próximo dia 28 de janeiro.

Cerca de 100 pessoas, entre dirigentes sindicais, ativistas de base como cipeiros, advogados da área trabalhista e trabalhadores em geral participaram da atividade, organizada pela CSP-Conlutas e pelo Fórum de Lutas do Vale do Paraíba. A atividade aconteceu na Câmara Municipal.

No dia 28, a proposta é realizar o maior número de mobilizações que for possível, desde panfletagens, assembleias, paralisações e passeatas, a exemplo do que está sendo programado para acontecer em todo o país, a partir de uma convocação unificada de todas as centrais sindicais, inclusive a CSP-Conlutas. Manifestantes da região também irão engrossar a manifestação unificada que está programada para acontecer em São Paulo, na Avenida Paulista.

O alvo dos protestos são as Medidas Provisórias 664 e 665, que alteram as leis referentes a direitos como o seguro-desemprego, PIS, pensão por morte, auxílio-doença e seguro-defeso, mas também será denunciado o conjunto de medidas do governo que tem levado ao aumento da inflação, reajuste do combustível, das tarifas de energia e água, entre outras.

Novamente, o dia de luta visa conscientizar e alertar os trabalhadores e a população da gravidade dos ataques e buscar construir uma forte mobilização para barrar as medidas. As MPs têm 120 dias para serem aprovadas pelo Congresso.

Arte: Sindmetalsjc


Já está mais do que claro que esse governo escolheu os trabalhadores como alvos de seus ataques, para garantir um aumento na arrecadação do governo e, consequentemente, o repasse aos banqueiros e grandes empresários. Agora, vai ser preciso lutar para revogar as medidas já anunciadas. O primeiro passo é garantir uma forte mobilização nacional no dia 28”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Herbert Claros.

Ataques aos direitos e previdência
A advogada Fabiana da Costa Amaral e a economista Renata Belzunces, da subseção do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) do Sindicato dos Metalúrgicos de São José realizaram a primeira parte do seminário e detalharam a gravidade dos ataques que representam as MPs 664 e 665 do governo.

As alterações definidas pelas MPs representam uns dos maiores ataques aos direitos trabalhistas dos últimos anos.

As palestrantes, bem como os sindicalistas e advogados presentes, denunciaram que o governo está fazendo uma “reforma” na Previdência e na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Além de mudanças no seguro-desemprego e no auxílio-doença que restringem o acesso dos trabalhadores a esse benefício, os participantes alertaram ainda para outras medidas que já estão sendo preparadas pelo governo. Devem ser anunciadas em breve, mudanças na Norma Regulamentadora n° 1 (NR), que trata da segurança e saúde no trabalho, e a criação do SUT (Sistema Único de Trabalho), que trata da fiscalização da legislação trabalhista. As propostas também contêm graves ataques e, na prática, colocam nas mãos das empresas a saúde e segurança do trabalhador.

Leia mais detalhes da explicação das palestrantes em sindmetalsjc