21 de novembro de 2016

Sexta, dia 25, é dia nacional de greves e paralisações contra os ataques do governo Temer

21/11/2016 - O governo Temer e o Senado planejam votar na próxima semana, em primeiro turno, a PEC 55, proposta de emenda constitucional que congela os gastos públicos por 20 anos. Em meio à grave crise política e econômica que segue se aprofundando no país, Temer tem pressa em aprovar as medidas para jogar nas costas dos trabalhadores e do povo a conta dessa crise.

Mas se os ataques são grandes, a resistência dos trabalhadores, da juventude e de vários movimentos sociais por todo o país também vem crescendo e a próxima sexta-feira, dia 25 de novembro, é um importante momento dessa luta. As principais centrais sindicais brasileiras estão organizando um Dia Nacional de Greves e Paralisações.

Já estão marcadas greves, paralisações e atrasos de turnos em diversas categorias, como metalúrgicos, trabalhadores da construção civil, petroleiros, trabalhadores dos transportes rodoviários, ferroviários e metroviários (SP). As mobilizações se somarão às centenas de ocupações de escolas e universidades e às greves do funcionalismo público que já estão em andamento em todo o país.

Em nossa região, o Fórum de Lutas do Vale do Paraíba, que reúne os sindicatos de várias categorias, também organizam manifestações e paralisações para este dia.

Construir um grande dia de luta
Apesar de estarem afundados em escândalos de corrupção e em uma profunda crise política, os ataques que o governo e o Congresso preparam são grandes. A PEC 55 cria um teto para os investimentos, o que vai afetar profundamente áreas essenciais para a população.

Na prática, esse teto vai impedir que ocorram investimentos na saúde, educação, moradia e outras áreas do serviço público. O que já está ruim vai virar um caos nos próximos anos. A atual crise e falência do estado do Rio de Janeiro é um exemplo de como os serviços públicos entrarão em colapso com a implementação desta PEC e outras medidas do governo.

A política de Temer é tirar dinheiro das áreas sociais para garantir o pagamento dos juros da dívida pública a banqueiros e desonerações a grandes empresários. Isso sem contar outras medidas extremamente prejudiciais que também estão sendo preparadas como as Reformas da Previdência, Trabalhista e a liberação geral da terceirização no país.

O dia 25 de novembro será o ponto alto da Jornada de Lutas definida pelas principais centrais sindicais do país, como a CSP-Conlutas, CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central Sindical, Intersindical, CGTB e CTB.

“Estamos assistindo que os trabalhadores e a juventude tem muita disposição de luta, como, por exemplo, nas fortes ocupações das escolas, nas mobilizações dos servidores públicos no Rio e greves de categorias pelo país. Os dias 29 de outubro e dia 11 de novembro já foram marcados por importantes mobilizações. Nesta sexta, dia 25, precisamos aumentar e fortalecer as mobilizações rumo à construção de uma Greve Geral”, defende o membro da Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Luiz Carlos Prates, o Mancha.

“O PSTU estará com sua militância dando todo apoio à realização das mobilizações, pois sabemos que a realização de um forte dia de luta, rumo à Greve Geral, são fundamentais para a defesa dos direitos da classe trabalhadora e para barrar os ataques do governo”, afirma o presidente do PSTU de São José dos Campos, Toninho Ferreira.

– Em defesa da saúde e educação: Contra a PEC 55 (antiga 241) e a Reforma do Ensino Médio!
– Em defesa dos direitos dos trabalhadores: Contra a Reforma Trabalhista!
– Em defesa da aposentadoria: Contra a Reforma da Previdência!
– Em defesa do emprego: Redução da jornada de trabalho sem redução salarial!
- Greve Geral para derrotar as reformas que retiram direitos!
- Fora Temer. Fora Todos Eles! Que os trabalhadores governos através de Conselhos Populares!